segunda-feira, 25 de novembro de 2013

TODA HISTORIA DE DEUS É MARAVILHOSAMENTE LINDA.

PERÍODO INTERBIBLICO

I. Definição

A. Trata de eventos que ocorreram entre o fim do AT., e o início do NT.
B. As datas são de 424 a.C., até 5 a.C.

II. Por que Estudar?

A. Históricas razões - explicam o fundo histórico do NT.;
B. Culturais - explica a origem e desenvolvimento dos costumes, instituições e vida           espiritual do povo judaico do período do NT.
C. Messiânico - demonstra como Deus preparou o mundo para o advento.

III. As Divisões do Período Interbiblico

A. Entre as datas marcadas para nosso estudo, muitos eventos se passaram que não teremos a oportunidade de reconhecer. Nós daremos atenção especial ao fim do AT., os tempos de Alexandre, as guerras dos macabeus e Herodes.

1. Período Persa                                        536-331;
2. Período Grego                                       331-167;
a. Período Grego Próprio                          331-323;
b. Período Egípcio                                     323-198;
c. Período Sírio                                          198-167;
3. Período Macabeu                                  167-63;
4. Período Romano                                    63-5.

IV. O Fim do Período do A.T., e o Início do Período Persa

A. Os cativeiros;

1. Depois de um longo período de apostasia, o Reino do Norte foi conquistado e levado para o cativeiro pelos assírios em 721 a.C.
2. O Reino do Sul recebeu tratamento semelhante às mãos dos babilônicos sob Nabucodonozor em 586 a.C.

B. As restaurações

1. Cerca de 50.000 exilados no ano 536, foram permitidos por Ciro a voltar para a Palestina com Zorobabel - Esdras 1.6.
2. Os eventos do livro de Ester passaram na Pérsia em c. 183 a.C.
3. Esdras, um escriba, chegou em Jerusalém c. 457, promoveu várias reformas civis e religiosas. - Esdras 7.10.
4. Neemias e seus companheiros chegaram na Palestina c. 445 - Nee 1.2.
5. Malaquias dirigiu seu ministério num período de decadência espiritual c. 432-424. Ele marcou o fim do AT.

C. Características do Período Persa

1. Decadência espiritual vista em Ageu e Malaquias;
2. Desenvolvimento do poder do sumo sacerdote;
a. Após Neemias, a Judéias foi incluída na província da Síria. Assim o sumo sacerdote tornou-se governador da Judéia e autoridade da Síria.
3. Os inícios do escribismo com um interesse exagerado na letra da lei.

V. Os Tempos e Significância de Alexandre, O Grande.

A. A origem de Alexandre

1. Felipe de Macedom uniu os estados gregos para expulsar os persas da Ásia Menor. Morreu assassinado durante uma festa - 337 a.C.
2. Alexandre seu filho, de grande capacidade de liderança, educado sob o famoso Aristóteles, era devotado à cultura grega. Tirou sua inspiração de Ilíade de Homero.

B. As conquistas de Alexandre.

1. Após o domínio da Grécia, penetrou a Pérsia, império 50 vezes maior, com população 20 vezes a da Grécia.
2. Em 334 penetrou na Ásia Menor vencendo o exército persa no Rio Grânico, perto de Trôade.
3. Em pouco tempo com apenas a idade de 22 anos, conquistou a Sardo Mileto, Éfeso e Halicarnaso, estabelecendo em cada cidade a democracia grega.
4. Em 333 a.C., foi ao encontro de Dario na batalha de Isso, a qual ganhou.
5. Dai foi sem grande resistência até o Egito que também dominou.
6. Em 332 cercou a Tiro, que tomou antes de descer ao Egito.
7. Venceu Dario decisivamente na batalha de Arbela em 331, dando fim ao grande império persa.
8. Continuou suas conquistas até ao rio Indo.
9. Morreu com apenas 33 anos com suas forças dissipadas pelo álcool e malária. No ano 323 morreu com a bebida (vinho).

C. A influência de Alexandre.

1. Sua influência foi muito grande por causa de sua extensão e permanência.
2. Estabeleceu centro de comércio e cultura em toda a extensão do seu império.
3. Com a penetração da cultura grega, a superstição oriental cedeu à liberdade do pensamento grego na filosofia, arquitetura, deuses, religião e atletismo. Surgiram bibliotecas e Universidade em Alexandria e Tarso como em outros lugares. Preparou-se assim o campo para religião universal.
4. De grande importância foi a disseminação da língua grega, criando a possibilidade da pregação do evangelho numa língua universal e a criação duma bíblia legível em toda a extensão da bacia do Mediterrâneo.

Próxima aula: "Antíoco Epifânio e a Revolta Macabéia; A Revolta dos Macabeus; O Surgimento da Dinastia Seleucida".

Professor: Ricardo A. dos Reis
e-mail: ricardoteologia@uol.com.br
Telefax: (0xx11) 7241.0338

VI. Antíoco[1] e a Revolta Macabéia


A. Eventos relacionados com Alexandre e com Antíoco.
1.   Após a morte de Alexandre, começou a luta para o controle do império.
2.   Em 301 a.C., na batalha de Ipso a divisão efetuou-se em quatro partes.
3.   Egito e Palestina ficaram com Ptolomeu Soter (Lagos), e a Síria do Norte e Ásia Menor com Seleuco.
4.   Os Ptolomeus dominaram a Palestina até 198 quando os sírios com Seleuco anexaram a Terra Santa ao seu domínio.
5.   Antíoco, o grande (III), que conquistou a Palestina morreu; foi seguido pelo seu filho Seleuco Filopater (187-175), que foi envenenado abrindo caminho para a sucessão de seu irmão Antíoco Epifânio (IV).

B. Os atos e Antíoco Epifânio IV 175-164 a.C.
1.    Epifânio (nome que deu a si mesmo), significa “deus manifesto”.
2.    O sumo sacerdote, Onias III, liderou os nacionalistas; Jasom, seu irmão dirigiu os helenistas.
a.   Joson ofereceu grande soma de dinheiro a Antíoco por ser apontado sumo sacerdote no lugar de seu irmão. Prometeu também helenizar a Jerusalém.
b.   Quando assim foi apontado, tornou o povo cidadão da capital da Síria, Antioquia, erigiu um ginásio grego logo em baixo do templo; os jovens judeus começaram tomar parte nos jogos gregos. Jason criou um altar, até mandou ofertas às festas de Hércules em Tiro.
3.    Os nacionalista são os antecedentes dos Fariseus; helenistas dos Saduceus.
4.               Antíoco fez várias expedições para o Egito. Numa delas ouve rumores de sua morte que provocou grande regozijo entre os judeus. Ao ouvir isto, Antíoco massacrou 40.000 judeus num só dia. Muitos judeus foram escravizados e o templo roubado.
5.               Numa campanha seguinte, os romanos forçaram sua desistência no Egito. Na sua grande ira derramou-a sobre Jerusalém. Mandou erradicar a religião judaica. Quem possuía cópia da lei ou tivesse circuncidado a criança seria morto. Finalmente converteu o templo em templo de Zeus, sacrificando um porco no altar no dia 25 ano 168.
6.               Tudo isto consolidou a resistência dos judeus na revolta dos macabeus.

VII. A revolta dos Macabeus


A.  A revolta começou com Matatias, sacerdote em Modim (167);
B.  Após sua morte em 166, seu filho Judas (166-161), continuou a luta com 6.000 homens. Quando Antíoco mandou 60.000 homens para subjugá-lo, Judas mandou os temerosos voltarem para casa. Com apenas 3.000 derrotaram os sírios.
C.  Em seguida Judas entrou em Jerusalém e reedificou o templo, em 25 de Dezembro de 166 a.C. a festa de Dedicação foi instituída no ano 164 (cf. Jo 10.22).
D.  Significância da opressão síria e revolta dos macabeus:
1.    Restaurou a nação da decadência política e religiosa;
2.    Criou um espírito nacionalista, uniu a nação e suscitou virilidade.
3.    Deu novo impulso ao judaism
a.    Percebe-se isto na purificação moral e espiritual;
b.    Percebe-se isto numa onda de literatura apocalíptica;
c.     Percebe-se isto numa nova e intensa esperança messiânica.
4.    Intensificou o desenvolvimento dos dois movimentos que se tornaram os Fariseus e os Saduceus.
a.    Os Fariseus surgiram do grupo purista e nacionalista.
b.    Os Saduceus surgiram do grupo que se aliou com os helenistas.
5.    Deu maior ímpeto ao movimento da dispersão com muitos judeus querendo se ausentar durante as terríveis perseguições de Antíoco.









Prof. Ricardo A. dos Reis

Telefax: 72410338
Disciplina: Período Interbíblico






Nenhum comentário:

Postagem em destaque

GLÓRIA A DEUS