sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

“Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus” - Mt 5.9

Ministério de Ensino

IDENTIFICANDO-ME COM CRISTO
Pr. Bruno Marquardt

Bem-aventuranças - 7

“Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus” - Mt 5.9

1)  Explicação:          
            O que é ser um pacificador? Charles de Gaulle, ex-presidente da França, disse: “Enquanto houver fome no mundo, não haverá paz”. De Gaulle estava errado. A causa básica da falta de paz não é a fome, mas a presença do pecado no coração do homem. A fome, juntamente com a guerra, é conseqüência do pecado e da desobediência do homem. A ONU e outros organismos internacionais se esforçam para promover a paz, mas não logram êxito, pois o mundo rejeita o Príncipe da Paz - Jesus. A paz entre os homens começa com a paz  entre os homens e Deus.

            A palavra paz no hebraico é “shalom”. No grego é “eirene”. Essas palavras não significam “ausência de problemas”. Significam sim, segurança no meio dos problemas e da agitação do mundo em que vivemos. “Tomai toda armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau, e depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis” (Ef 6.13). Paulo escreveu: “Em tudo somos atribulados, porém não angustiados; perplexos, porém não desanimados; perseguidos, porém não desamparados; abatidos, porém não destruídos” (2 Co 4.8,9).
Características do pacificador
1.   Desenvolveu os traços do caráter de Cristo descritos nas bem-aventuranças, especialmente humildade, mansidão, coração limpo e perdão.
2.   Visto que aprendeu a basear suas convicções em princípios bíblicos, sabe ser justo.
3.   Não foge dos problemas, nem deles reclama, mas discerne os propósitos de Deus em cada um deles.
4.   Não é agressivo em sua maneira de tratar os outros, mesmo para com os que eventualmente o agridem. Isso é obra do E. Santo em seu coração. Essa transformação não é rápida: em algumas pessoas é mais lenta, enquanto que em outras é mais rápida.
5.   O pacificador tem paz com Deus e a paz de Deus em seu coração, e por isso procura promover a paz dos homens com Deus e a paz dos homens entre si.
6.   Para promover a paz entre os homens não pode ser egoísta
Para se tornar um pacificador:
1.   Precisa aprender a controlar seus pensamentos e atitudes.
2.   Deve aprender como e o que falar em cada situação.
3.   Deve fazer morrer sua natureza terrena, bem como os desejos da carne.
4.   Deve ter aprendido a perdoar, como a pedir perdão.
5.   Deve estar prevenido e disposto a sofrer arranhões quando se empenhar em promover a paz em algum conflito.
2)  Exemplos de Cristo:
·      Jo 14.27 - “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vô-la dou como a dá o mundo. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize”.
·      Lc 2.14: “Glória a Deus nas maiores alturas e paz na terra entre os homens a quem ele quer bem”.
·      1 Pe  2.21-23: “Para isso  mesmo fostes chamados, pois que  também Cristo sofreu em vosso lugar, deixando-vos exemplo para seguirdes os seus passos, o qual não cometeu pecado, nem dolo algum se achou em sua boca, pois ele, quando ultrajado, não revidava com ultraje, quando maltratado não fazia ameaças, mas entregava-se aquele que julga retamente”.
3)  Exemplo de fiéis:
·      José no Egito: Gn 455.5-8; Abraão - Gn 13.8,9;    Paulo: 2 Co 5.18-20.
4)  Atitudes positivas nos pacificadores:
·      Revelam amor cristão genuíno;
·      Alcançam paz interior;
·      Tornam-se transparentes;
·      Tem consciência livre de culpa;
·      Assumem responsabilidade integral por seus atos e pensamentos.

5)  Atitudes negativas em quem não tem espírito pacificador:
·      Atitude crítica - Rm 2.1
·      Culpa - angústia interior: Rm 7.15,17.

6)  Auto exame:
·      Considero-me um pacificador?
·      Sei controlar meus pensamentos e sentimentos numa situação que tem tudo para ser explosiva?
·      Sei como falar em meio a dificuldades?
·      Tomo a iniciativa para promover a paz entre as pessoas?

7)  Bênçãos na vida de um pacificador:
·      “Será chamado filho de Deus” - isto é, será semelhante ao Pai. Do Pai a Bíblia diz: “Ele é o Deus de toda paz” (Hb 13.20).
·      “Felicidade” - pois Jesus disse: “Bem-aventurados os pacificadores...”

8)  Passos e decisões para me tornar um pacificador:
·      Entregar minha vida ao senhorio de Cristo para ter a paz de Deus e a paz com Deus.
·      Renunciar ao diabo e a toda raiz de amargura. Submeter-me a um processo de cura interior.
·      Aprender a perdoar.
Aprendendo a perdoar

1.   Compreendendo como a amargura se forma dentro de nós, ou seja, num processo de três estágios:
a)   Sou agredido, rejeitado, injustiçado. Isso provoca dor, tão logo me atinge.
b)  Como administrar essa dor? A primeira reação é “olho por olho”, ou engolir calado. Ambas as reações me prejudicam interiormente.
c)   Quando deixo “o sol se por sobre minha ira” (Ef 4.27), a dor se transforma em ferida emocional, e daí Satanás encontra uma brecha para me amarrar (2 Co 2.10,11).
2.   Compreendendo as conseqüências da amargura: (a) Físicas - Sl 32.3,4: enfermidades psicossomáticas: úlcera nervosa, batimentos cardíacos, falta de ar, desmaios, dores generalizadas no corpo, etc. (b) Conseqüências emocionais: choro, insônia, depressão, vontade de morrer, desespero: “Não agüento mais”!!!  © Conseqüências espirituais: confusão espiritual - 1 Jo 2.11; entristece o E. Santo; barreira para vida de oração - Mc 11.25; Não recebe perdão do Pai - Mt 6.14,15; Dificuldade com Deus - Is  59.1,2.

3.   Passos para perdoar:
a)   Aceitar Cristo como senhor e Salvador. Sem Cristo não é possível - Gl 2.19,20.
b)  Assumir a responsabilidade por nossa amargura - 1 Jo 3.15.
c)   Renunciar ao diabo que nos instigou para a vingança - Tg 4.7-10.
d)  Buscar na graça de Deus revelada em Cristo a força para crer no perdão de meus pecados, bem como a força para declarar nosso perdão aos que nos magoaram.
e)   Declarar nosso perdão a todos que nos feriram. Fazer isso não por emoção, mas em obediência ao que Deus diz - Ef 4.31,32. Fazer isso mesmo que o ofensor não se arrependa. Jesus fez assim.
f)   Esquecer, isto é, não ficar mais remoendo o que perdoou. Remoer reabre as feridas que ainda não estão bem cicatrizadas.
g)  Orar pelas pessoas a quem perdoamos.
h)  Buscar o perdão do ofensor, caso também tenhamos falhado para com ele.

Obs. 1. O perdão muitas vezes é difícil quando não compreendemos o propósito de Deus ao Ele permitir
             que determinada ofensa me atingisse.
2.   Não conseguiremos liberar o perdão sem antes nos arrependermos de nossa mágoa contra o
     ofensor. A graça de Deus não flui num coração endurecido.
3. Quando abrimos mão do desejo de nos vingar, tudo fica mais fácil. Rm 12.19.


Pr. Bruno Marquardt – E-mail: bruno.marquardt@terra.com.br

Nenhum comentário:

Postagem em destaque

GLÓRIA A DEUS