sexta-feira, 23 de junho de 2017





Balaão e a Jumenta que Falou – Números Deus havia ordenado aos israelitas para que não molestassem os moabitas, dado serem descendentes de Ló.
Ou os moabitas não conheciam esta ordem, ou não confiavam em Deus e na sua ordem, ou então tencionavam o mal para os israelitas independentemente de qualquer ordem de Deus em benefício deles.
O 22º capítulo de Números nos dá conta que quando o povo de Deus acampou na planícies de Moabe, do lado leste do Jordão, isto é, do outro lado de Canaã, na altura de Jericó, vendo Balaque, rei dos moabitas tudo que Israel fizera aos amorreus, teve grande medo deles, e disse aos anciãos de Midiã que todos seriam destruídos pelos israelitas (Nm 22.1-4).
Assim, mandou chamar Balaão para amaldiçoar os israelitas, de modo que pudesse prevalecer na guerra contra eles, pois conhecia a fama de Balaão no sentido que quem fosse abençoado por ele era abençoado, e quem fosse amaldiçoado era amaldiçoado (Nm 22.6).    
Então foram os anciãos de Moabe e de Midiã com o dinheiro para ser pago a Balaão e lhe disseram o que havia pedido Balaque.
Balaão lhes pediu que passassem a noite naquele lugar para que lhes desse a resposta que o Senhor lhe falasse.  
Deus veio a Balaão e lhe disse que não fosse com eles para amaldiçoar o povo, porque era povo bendito (v. 12).
Em face disto, Balaão pediu aos anciãos de Moabe e Midiã que voltassem para a sua terra em razão da resposta que recebera de Deus (v. 13).
Até aqui as Escrituras não falam sobre os reais sentimentos de Balaão, mas por tudo que elas nos dão conta acerca dele em outras passagens, é bem provável, que desde o início tenha lamentado a oportunidade de lançar mão do pagamento que receberia caso amaldiçoasse os israelitas.
Para que o seu coração fosse colocado à prova, quanto à sua cobiça, quando os príncipes de Balaque retornaram a ele, em maior número e mais honrados e com uma recompensa maior, Balaão desconversou dizendo que ainda que lhe dessem uma casa cheia de ouro, não poderia ir além da ordem do Senhor (v.13-18), mas não parou por aí, pois já sabendo qual era a resposta de Deus, ele arriscou que poderia haver uma mudança de opinião do Senhor, porque afinal a recompensa era muito grande, e maior ainda era a cobiça do seu coração.
Por isso pediu que aqueles príncipes aguardassem porque consultaria de novo ao Senhor.
Que grande desonra para o caráter de Deus estava sendo a atitude deste profeta interesseiro.
Ele amou o prêmio da injustiça e atribuiu injustiça a Deus (II Pe 2.15; Apo 2.14).
Segundo ele, quem sabe o Senhor não daria um jeitinho, para tornar as coisas favoráveis para o seu lado?
Estamos diante de um caso de corrupção no ofício profético, que considerou a possibilidade de corrupção do próprio Deus.
O Senhor colocaria o espírito de Balaão em suspenso, de forma que cultivasse uma falsa esperança, e fosse vítima da sua própria cobiça, pois lhe ordenou que acompanhasse aqueles príncipes, mas que fizesse somente o que lhe fosse ordenado (v. 20).
Com isto as coisas continuavam em andamento, não foram interrompidas abruptamente as negociações, e Balaão pensava que de alguma forma tiraria alguma vantagem em tudo aquilo, ou da parte dos moabitas, ou dos israelitas.
Ele amava a paga e não a verdade, os seus interesses e não a vontade do Senhor. 
Logo de início, Deus mostrou a Balaão que estava sendo mais insensato do que um asno, porque foi repreendido pela sua própria jumenta, que pelo poder do Senhor, falou com ele repreendendo-o por sua insensatez em espancá-la por não prosseguir adiante, porque não o pudera fazer, porque se lhe opunha um anjo do Senhor.
A jumenta viu o anjo, mas Balaão não teve discernimento espiritual para percebê-lo por causa do endurecimento do seu coração (v. 21-30).
Foi somente depois disto que Deus abriu os olhos de Balaão para que visse o anjo parado no caminho, com a espada desembainhada, e tendo-o visto prostrou-se com o rosto em terra (v. 31).
O anjo lhe repreendeu por ter espancado a jumenta e disse que havia saído como seu adversário porque o seu caminho era perverso diante dele, e que na verdade o fato da jumenta ter-lhe desobedecido não seguindo adiante e se desviado, foi o fator que salvou a sua vida, porque se ela tivesse prosseguido adiante o anjo teria matado a Balaão (v. 32,33).
O astuto Balaão tentou enganar até o próprio anjo com um falso arrependimento, ao alegar que havia pecado e não sabia que o anjo estava no caminho para se opor a ele, e se lhe parecia mal aos seus olhos o fato de estar seguindo os príncipes moabitas, ele voltaria para o seu lugar (v.34).
Veja que ele profere com os lábios aquilo que não estava de fato no seu coração, e sabendo disto o anjo lhe ordena que prossiga cumprindo aquilo que lhe fora ordenado por Deus, isto é, que acompanhasse aqueles homens, mas que falasse somente a palavra que lhe fosse ordenada (v. 35).
Não somente Balaão pensou que a esperança de lucros havia retornado como o próprio Balaque, rei dos moabitas pode ter ficado esperançoso de que o Deus de Israel havia se voltado para o seu lado, porque ao que parecia Ele havia mudado de ideiapermitindo que agora Balaão viesse ao seu encontro, depois de tê-lo proibido, quando lhe enviou a primeira embaixada. 
Balaão, quando se encontrou com Balaque lhe declarou que não poderia falar senão a palavra que Deus pusesse na sua boca.
Ele não disse isto porque fosse zeloso da palavra do Senhor, mas porque temia o que poderia lhe suceder tendo sido repreendido do modo que fora pelo anjo que se lhe opusera no caminho e que advertira seriamente que deveria somente falar o que lhe fosse ordenado.
Ele estava numa condição realmente apertada sem saber afinal que palavra deveria falar, pois não conhecia de fato o caráter imutável e fiel de Deus, pois se o conhecesse,  saberia que Deus jamais mudaria o que lhe havia proferido desde o princípio, que ele tanto não deveria ir ao encontro de Balaque,quanto não poderia amaldiçoar Israel. 




“1 Depois os filhos de Israel partiram, e acamparam-se nas planícies de Moabe, além do Jordão, na altura de Jericó.
2 Ora, Balaque, filho de Zipor, viu tudo o que Israel fizera aos amorreus.
3 E Moabe tinha grande medo do povo, porque era muito; e Moabe andava angustiado por causa dos filhos de Israel.
4 Por isso disse aos anciãos de Midiã: Agora esta multidão lamberá tudo quanto houver ao redor de nós, como o boi lambe a erva do campo. Nesse tempo Balaque, filho de Zipor, era rei de Moabe.
5 Ele enviou mensageiros a Balaão, filho de Beor, a Petor, que está junto ao rio, à terra dos filhos do seu povo, a fim de chamá-lo, dizendo: Eis que saiu do Egito um povo, que cobre a face da terra e estaciona defronte de mim.
6 Vem pois agora, rogo-te, amaldiçoar-me este povo, pois mais poderoso é do que eu; porventura prevalecerei, de modo que o possa ferir e expulsar da terra; porque eu sei que será abençoado aquele a quem tu abençoares, e amaldiçoado aquele a quem tu amaldiçoares.
7 Foram-se, pois, os anciãos de Moabe e os anciãos de Midiã, com o preço dos encantamentos nas mãos e, chegando a Balaão, referiram-lhe as palavras de Balaque.
8 Ele lhes respondeu: Passai aqui esta noite, e vos trarei a resposta, como o Senhor me falar. Então os príncipes de Moabe ficaram com Balaão.
9 Então veio Deus a Balaão, e perguntou: Quem são estes homens que estão contigo?
10 Respondeu Balaão a Deus: Balaque, filho de Zipor, rei de Moabe, mos enviou, dizendo:
11 Eis que o povo que saiu do Egito cobre a face da terra; vem agora amaldiçoar-mo; porventura poderei pelejar contra ele e expulsá-lo.
12 E Deus disse a Balaão: Não irás com eles; não amaldiçoarás a este povo, porquanto é bendito.
13 Levantando-se Balaão pela manhã, disse aos príncipes de Balaque: Ide para a vossa terra, porque o Senhor recusa deixar-me ir convosco.
14 Levantaram-se, pois, os príncipes de Moabe, vieram a Balaque e disseram: Balaão recusou vir conosco.
15 Balaque, porém, tornou a enviar príncipes, em maior número e mais honrados do que aqueles.
16 Estes vieram a Balaão e lhe disseram: Assim diz Balaque, filho de Zipor: Rogo-te que não te demores em vir a mim,
17 porque grandemente te honrarei, e farei tudo o que me disseres; vem pois, rogo-te, amaldiçoar-me este povo.
18 Respondeu Balaão aos servos de Balaque: Ainda que Balaque me quisesse dar a sua casa cheia de prata e de ouro, eu não poderia ir além da ordem do Senhor meu Deus, para fazer coisa alguma, nem pequena nem grande.
19 Agora, pois, rogo-vos que fiqueis aqui ainda esta noite, para que eu saiba o que o Senhor me dirá mais.
20 Veio, pois, Deus a Balaão, de noite, e disse-lhe: Já que esses homens te vieram chamar, levanta-te, vai com eles; todavia, farás somente aquilo que eu te disser.
21 Então levantou-se Balaão pela manhã, albardou a sua jumenta, e partiu com os príncipes de Moabe.
22 A ira de Deus se acendeu, porque ele ia, e o anjo do Senhor pôs-se-lhe no caminho por adversário. Ora, ele ia montado na sua jumenta, tendo consigo os seus dois servos.
23 A jumenta viu o anjo do Senhor parado no caminho, com a sua espada desembainhada na mão e, desviando-se do caminho, meteu-se pelo campo; pelo que Balaão espancou a jumenta para fazê-la tornar ao caminho.
24 Mas o anjo do Senhor pôs-se numa vereda entre as vinhas, havendo uma sebe de um e de outro lado.
25 Vendo, pois, a jumenta o anjo do Senhor, coseu-se com a sebe, e apertou contra a sebe o pé de Balaão; pelo que ele tornou a espancá-la.
26 Então o anjo do Senhor passou mais adiante, e pôs-se num lugar estreito, onde não havia caminho para se desviar nem para a direita nem para a esquerda.
27 E, vendo a jumenta o anjo do Senhor, deitou-se debaixo de Balaão; e a ira de Balaão se acendeu, e ele espancou a jumenta com o bordão.
28 Nisso abriu o Senhor a boca da jumenta, a qual perguntou a Balaão: Que te fiz eu, para que me espancasses estas três vezes?
29 Respondeu Balaão à jumenta: Porque zombaste de mim; oxalá tivesse eu uma espada na mão, pois agora te mataria.
30 Tornou a jumenta a Balaão: Porventura não sou a tua jumenta, em que cavalgaste toda a tua vida até hoje? Porventura tem sido o meu costume fazer assim para contigo? E ele respondeu: Não.
31 Então o Senhor abriu os olhos a Balaão, e ele viu o anjo do Senhor parado no caminho, e a sua espada desembainhada na mão; pelo que inclinou a cabeça, e prostrou-se com o rosto em terra.
32 Disse-lhe o anjo do senhor: Por que já três vezes espancaste a tua jumenta? Eis que eu te saí como adversário, porquanto o teu caminho é perverso diante de mim;
33 a jumenta, porém, me viu, e já três vezes se desviou de diante de mim; se ela não se tivesse desviado de mim, na verdade que eu te haveria matado, deixando a ela com vida.
34 Respondeu Balaão ao anjo do Senhor: pequei, porque não sabia que estavas parado no caminho para te opores a mim; e agora, se parece mal aos teus olhos, voltarei.
35 Tornou o anjo do Senhor a Balaão: Vai com os homens, somente a palavra que eu te disser é que falarás. Assim Balaão seguiu com os príncipes de Balaque:
36 Tendo, pois, Balaque ouvido que Balaão vinha chegando, saiu-lhe ao encontro até Ir-Moabe, cidade fronteira que está à margem do Arnom.
37 Perguntou Balaque a Balaão: Porventura não te enviei diligentemente mensageiros a chamar-te? por que não vieste a mim? não posso eu, na verdade, honrar-te?
38 Respondeu Balaão a Balaque: Eis que sou vindo a ti; porventura poderei eu agora, de mim mesmo, falar alguma coisa? A palavra que Deus puser na minha boca, essa falarei.
39 E Balaão foi com Balaque, e chegaram a Quiriate-Huzote.
40 Então Balaque ofereceu em sacrifício bois e ovelhas, e deles enviou a Balaão e aos príncipes que estavam com ele.
41 E sucedeu que, pela manhã, Balaque tomou a Balaão, e o levou aos altos de Baal, e viu ele dali a parte extrema do povo.” (Nm 22.1-41).


Nenhum comentário:

Postagem em destaque

GLÓRIA A DEUS